Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2018

Poema Infinito (388): O cálice sagrado da natureza

 

 

 

Os vários nomes da madrugada inundam os caminhos da montanha e alimentam as raízes dos teus pés. Caminharemos sempre. Isso faz parte do nosso destino. Também as flores procuram insaciavelmente o desenho e as cores das suas pétalas. Confundimos as fragas, o som do vento que eclode entre a ramagem, o ruído das vozes, as amoras que descansam nas silvas. Desenhamos corolas, a floração dos desejos, a primavera que rebenta, o imprescindível júbilo do néctar, o reflexo foliar das mariposas. As abelhas mais invulgares procuram os cubículos das flores campestres. Pedaços do mundo juntam-se com o âmbar da areia, os lagos presentem a perenidade dos oceanos, o silêncio desliza em forma de réptil. Tenho saudade dos montes e dos rios, da velha arquitetura dos moinhos, da sensualidade dos teus seios, da humidade da tua vagina. E dos ais e dos suspiros. E da fertilidade das madrugadas. Os teus olhos possuem a minuciosidade dos mares. Neles prevejo os eclipses solares, o dilatado desenho das penetrações, o rumor magnífico dos lírios, o voo certeiro dos falcões e a gratidão da primavera. O calor do teu silêncio é feito de sobejos de eternidade. Alguns sorrisos vêm envoltos em nuvens raras. Pretendemos esquadrinhar a espessura do futuro, o resplendor das massas atmosféricas, o pôr do sol e o amanhecer e os átomos imaginários das galáxias. Apesar de sabermos da necessidade muda do pão, arrepiamo-nos quando as ceifeiras abatem as searas. A saudade constrói ninhos dentro das nossas cabeças. A tristeza continua impune. As estátuas sorriem-nos com a sua nudez fria. Os pássaros semearam os bosques. Os seus voos transportam a transparência do vento. A dor ainda está quente. A saudade abre o caminho dos montes e evoca o regaço do mês de abril. Donde vem este tempo sem crédito? Os poemas mudam o seu funambulismo, querem ser vadios. Dói-me a dor da tua ausência, o riso e o pranto, o adeus definitivo da tarde, a perseverança do mar, a marcha do tempo, os montes rasos, os lobos aprisionados pela neve, o afastamento do claro-escuro, os retalhos do infinito, as corridas sem distância, as trovoadas secas, a lentidão dos rios, os passos marrecos das garças, a rotundidade das corolas, os sonhos de circunstâncias e as flores demasiado amarelas ou vermelhas. Quero aprender a semear os crepúsculos, o voo das estrelas fugazes, a devorar as noites, a pesar as palavras, a desenhar as pálpebras do tempo e o voo incandescente dos relâmpagos, a voar como os peneireiros, a procurar as nossas raízes animais, a entender a espera das madressilvas pelo voo das abelhas, a saber esperar, a entender as incertezas, a escutar a razão, a cansar-me, a descansar-me, a lavar os aspetos mais densos da monotonia, a decantar as lágrimas. Penso agora no caminho das fontes, na calma simétrica dos espelhos, nos reflexos da caducidade, nos níveos horizontes das ninfas. Pressinto as suas bocas, o seu desespero, os seus calafrios, a sua paciência. A minha poesia é agora mais vegetal, feita de flores pequeninas, humildes e silvestres. Une-a o sopro infinitesimal e impenetrável da clorofila, o azul dos labirintos, a métrica versátil dos estames, o inconformismo das corolas, a união dos ovários, o cálice sagrado da natureza.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar