Quinta-feira, 1 de Março de 2018

Poema Infinito (394): Antecipação das estruturas

 

 

 

A água é o equilíbrio dos teus olhos. O vento adquiriu o tamanho triangular dos pássaros. As mãos ficam como arestas. Até o rio corre mais demorado. Dele nasce o embrião da noite. As palavras ficam densas como o sangue dos objetos. Transforma-se a liberdade num princípio evidente. Deus digita o tempo nas diversas direções do vento e transmite a morte pelos dedos dos ciprestes. Então tu ficas mais circular, com os dedos francos e o sexo em explosão. Existe nesta casa um espaço ventríloquo. A Lua repete as paredes. As estruturas adquirem um ritmo próprio, antecipando a incerteza dos ângulos da chuva. Os muros ficam transparentes. As montanhas deslocam-se. Todas as noites nos repetem. A cicatriz da memória estende os seus limites. Perseguimos a hidrografia dos pontos cardeais, os esquemas erodidos, lá onde o rio se inclina, onde os símbolos possuem um ritmo próprio, onde os dedos marcam a síntese das sílabas. A policromia da água liga os corpos aos subterrâneos. As palavras multiplicam os sonhos, invertem os gestos, tornam o tempo mais transversal, fertilizam a sintaxe. O tempo alarma os ponteiros dos relógios. Analisamos o fogo que arde dentro das certezas, a profecia dos números primos, toda a caligrafia que existe por detrás dos sonhos. Seguimos o exemplo do mar, a geografia das vozes, o traço epidérmico das gravuras mais antigas, o horóscopo dos incêndios, o perfil dos animais em reprodução. Estudamos então a temperatura dos sentimentos, o frio que se instala dentro da arte, o sigilo necessário do calor e do frio, a forma difusa dos conflitos, a lei das situações, o limite ilimitado da imaginação. Dizem que o amor também se dilata com o calor das palavras. O pão velho repousa sobre a mesa, as armas foram enterradas nos campos junto dos guerreiros mortos. Abre-se o forno. O pão novo rejubila. Os homens já esqueceram as armas. As mulheres deixam repousar as mãos nos regaços. O pão é a forma perfeita da paz. Enumeram-se crónicas e narrativas dos atos mais extremos, dos cercos, dos sítios de guerra, dos sinais da História, dos pátios dos mortos, dos reis embrulhados em raízes, dos sinais de luto, das armas que o tempo mediu, das lutas campais, dos vestígios duplos, dos adereços mais duros, da dor do gado, dos diversos costumes e da maneira de os usar. Agora é tempo de se tecerem os mantos e os prantos. É tempo de chorar. Colhem-se pedras para espantar os pássaros. As moças cantam o amor e o medo. Quanto mais arde o tempo mais o fogo alastra. Os nomes líricos nascem de manhã, no momento em que o sol surge no firmamento. Por vezes a chuva cai de forma diferente, calada. Todos sabemos que a dor é uma palavra rigorosa, quer seja breve ou prolongada. Cresce o nevoeiro no interior das nossas mãos. A casa ainda tem o mesmo nome, o mesmo ar furtivo, o mesmo tom baço. Exibe a mesma mágoa. Passamos as mãos pelos poemas que mais doem e sentimos o peso da sua germinação. O sol desvia-se de nós pelas ruas mais estreitas. Inscrevemos agora os passos nas pedras das calçadas, ou nas tábuas do chão da velha casa. A chuva opõe-se-nos. Antigamente, a nossa avó cantava-nos. Agora somos nós que a cantamos a ela, utilizando a sua mesa e os seus utensílios. Recordamos ainda o seu canto agudo, o tempo perfeito dos seus gestos, o modo exíguo de se lamentar. As andorinhas lembram-me o seu sorriso. A água do tanque tem a mesma vibração da que equilibra o teu olhar.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (423): O p...

. Interiores

. Interiores

. 409 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Passadeira de flores

. Passadeira de flores

. Poema Infinito (422): O v...

. Passadeira de flores

. Na igreja

. 408 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. No Barroso

. Sorriso

. Poema Infinito (421): O d...

. No Barroso

. Sorriso

. 407 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (420): As ...

. No Barroso

. No Barroso

. 406 - Pérolas e Diamantes...

. Na conversa

. O espelho

. Tapetes divinos

. Poema Infinito (419): A o...

. Tapetes divinos

. Tapetes divinos

. 404 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia com neve

. ST

. Na aldeia

. Poema Infinito (418): O j...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 404 - Pérolas e diamantes...

. Na chega de bois em Botic...

. O menino e o cavalo

. O homem e o cavalo

. Poema Infinito (417): O m...

. Ovelhas e cabras

. O cavalo

. As Cores: Uma História de...

. Castelo de Chaves

. Cai neve

. Chaves

. Poema Infinito (416): Lum...

.arquivos

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar