Quinta-feira, 6 de Setembro de 2018

Poema Infinito (421): O delírio e a sensatez

 

Comecei a escrever uma nova biografia do orvalho. Um rio passa perto do caderno. Muitas frases estão sentadas nas suas margens. Continuo a usar as aves para encontrar o azul.  A voz das águas tem um leve sotaque a nostalgia. Cai o silêncio em cima da sensatez do desejo. As árvores velhas iniciam o feitiço do tempo. As palavras estão preparadas. A cor da noite está coberta de afastamento. Necessitamos de mais espaço para um novo tipo de saber, uma nova fonte, um novo orgulho. Uma nova esperança. A alva tinge de forma transitiva a manhã. Os encantamentos necessitam de uma nova conjunção. A contradição atingiu a linguagem dos pássaros. Vamos ter de aprender a forma de reagir ao sol, à chuva, ao escuro, aos abismos, à confusão dos estorninhos. Os fantasmas sabem de cor a porta da noite que se abre primeiro. Observamos o abandono da velha casa, o musgo a crescer nas paredes, o mofo a fazer desenhos nos rebocos e na madeira carcomida, o mato a galgar os portões, as manchas traçadas nas fotografias, a bicicleta sem rodas encostada à parede do sótão e os batentes carcomidos pelo tempo. É o abandono a lamber tudo o que já nos foi querido. Na velha casa habitam agora os morcegos, as aranhas e os gafanhotos. O abandono fura-nos a retina, o silêncio grita de repente como se fosse manhã. Houve um tempo em que não havia limites. As pessoas misturavam-se com as aves e ganhavam asas. Depois chegou a ordem das coisas e as pedras começaram a rolar em direção ao destino. Apenas as palavras se salvaram. Apenas as palavras continuam sem limites. Ainda nos custa aceitar as pessoas que fecham portas, que olham o relógio e fixam o tempo, que vão às compras em horas determinadas, que aguçam os lápis para desenharem bagos de uvas, que fecham os lábios para darem beijos. O nosso delírio é uma outra forma de sensatez, com ele limpamos os versos para não serem contaminados pelas contradições. A linguagem teve o seu início na luz. Foi no orvalho que encontramos o formato do sol.  Os textos foram mudando a nossa existência. Aconteceram então os milagres estéticos provocados pelo instinto linguístico. A verdadeira sabedoria reside mais nas pessoas do que nos livros. Todos agora sabemos que o som teve a sua origem nas conchas do mar. É difícil fixar o silêncio. Ou fotografá-lo. Quando alvoreceu, a aldeia estava morta, não se ouvia nenhum barulho, ninguém passava no meio das ruas. O bêbado, depois de carregar o silêncio, adormeceu. Um pássaro enamorado começou a gorjear, para delírio das árvores. Todos sabemos que dessa árvore nascerão as flores mais perfumadas. Ainda clareava o dia quando a memória da avó abriu a terra e começou a botar as sementes à terra. Ali as deixamos para a chuva as enternecer. Entretemo-nos agora a decifrar a língua simples das abelhas, a entender os seus instintos primitivos e as palavras que correm por entre as pedras do rio. A saudade, para existir, requer trinados de dor. Na língua matinal do tempo ainda restam algumas réstias do nosso sol infantil. A avó, junto com as candeias, deixou-nos um aferidor de encantamentos. Com ele avaliamos os percurso das palavras até elas chegarem aos poemas, com a sua vaidade, o seu desvario e o seu livre arbítrio. Por isso os poetas podem arborizar os pássaros, podem humanizar as águas e podem aumentar o mundo com as suas metáforas.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na cozinha de S. Sebastiã...

. 418 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Chaves - Jardim Público

. Chaves

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 415 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Em Chaves

. No Barroso

. Poema Infinito (428): Peq...

. No Barroso

. Na Póvoa de Varzim

. 414 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. O cavaleiro

. ST

. Poema Infinito (427): O d...

. Olhares

. Olhares

. 413 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. Músicos

. Poema Infinito (426): O t...

. ST

. O Ferreiro

. 412 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (425): A h...

. Na aldeia

. Na aldeia

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar