Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

Poema Infinito (423): O pecado de Miguel Ângelo

 

 

Os génios são seres mortificados. Deus abandona-os sempre à sua sorte. Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni vai montado no seu cavalo persa transpirando melancolia, solidão e grandeza. Houve tempos em que se incrementava a poesia, quando o circo se enchia de parvos e elefantes brancos e papagaios e panteras. Há tantos parvos felizes. Os deuses jogavam xadrez e criavam bichos da seda. Os Papas combatiam a pestilência enquanto os guerreiros da cristandade disseminavam a sífilis e o nome de Deus em vão. Também se roubava gado e os poetas eram vistos como macacos que se acolhiam debaixo das vestes do  clero. A nobreza repartia-se entre os bastardos e os avarentos. Também existiam vaginas sábias e pénis em forma de cardeais folgazões. Deus parecia ter medo da sua criação. O rei máximo da cristandade pedia que lhe dessem tudo em triplicado. Além do Pai, do Filho e do Espírito Santo, exigia três coroas, três reinos e três virtudes. Michelangelo pintou então o teto da Capela Sistina que, para Adriano VI, um Papa de origens humildes, não passava de uma casa de banho assassinada. Michelangelo, ao contrário do que se diz, pintou-o de pé e não deitado de costas. O trabalho fazia-lhe mal, não a criação. Séculos antes, Jeremias chorou lágrimas tão pesadas como o tempo, tentando fazer ressuscitar os ossos dos apóstolos. Asseguram que Adão já nasceu cansado, apesar de nem rapaz ter chegado a ser. Por isso nem sequer aprendeu a cantar, a rir, ou a sonhar. A Criação continua a parecer-me uma visão limitada da ilimitada omnisciência divina. Os rapazes da aldeia continuam a enxotar os patos, a atirar pedras aos pássaros, a balouçar os pés na água e a não dar descanso aos seus anjos da guarda. Deus parece ter medo de quem o criou. Dante é um chato e Petrarca também. No entanto, os leitores de D. Quixote acreditam que Deus, a existir, é Espanhol. Já os proditores são italianos. Lucrécia Bórgia foi uma boa administradora. O seu irmão César matou Sforza e congeminou a morte de Perotto, que foi estrangulado nos braços de seu pai. Tingiram-se os mantos brancos de sangue e os meses de inverno ficaram ainda mais frios. Passaram então os terroristas a suportar os locais mais sombrios e a percorrerem, como uma maldição, os desfiladeiros que levam ao Purgatório. A humildade católica passou a ser tratada como uma constipação infantil. Os mortos vagueiam agora pelo mundo como nuvens híbridas. Os jovens continuam a ser arrogantes e a sonhar em estrangular os bobos espalhados por esse mundo fora. Elevam-se da terra círculos de luz que eliminaram as trevas. Junto das serras ainda continuam a nascer crianças predestinadas. Os meninos e as meninas da escola aprendem a desalinhar os seus passos, a saborearem os rebuçados picantes e a descobrirem os lugarejos ridículos. Estão quase nus. Alimentam-se de inconveniências. As mulheres púdicas continuam desavergonhadamente a vestir as suas camisas transparentes. O pecado mora inevitavelmente ao lado. Os cegos tropeçam ininterruptamente nas pedras. Por isso Jesus sempre insistiu em indicar-lhes o caminho das pedras. A predestinação é sempre uma ferida da memória. A chuva lava sempre a melodia das cinzas. Os peixes vermelhos por dentro conversam com Herberto Helder. Longas são as velhas ondas do mar.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ao frio

. No Louvre

. 421 - Pérolas e Diamantes...

. Tâmega - Chaves

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (434): A v...

. Em Bragança

. Em Chaves

. 420 - Pérolas e Diamantes...

. Vilarinho Seco - Barroso

. São Sebastião - Couto Dor...

. S. Sebastião - Alturas do...

. Poema Infinito (433): A e...

. S. Sebastião - Couto de D...

. S. Sebastião - Couto de D...

. 419 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (432): Mat...

. Em Chaves

. Na cozinha de S. Sebastiã...

. 418 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Chaves - Jardim Público

. Chaves

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 415 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Em Chaves

. No Barroso

. Poema Infinito (428): Peq...

. No Barroso

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar