Quinta-feira, 8 de Novembro de 2018

Poema Infinito (430): Das catástrofes imaculadas

 

 

A natureza do teu templo é um dos pilares que me mantém vivo. As frases podem ser confusas, mas os símbolos da tua nudez vagueiam em mim como fósforos acesos. Pareces um anjo atrapalhado, de olhos e boca abertos e de asas desfraldadas. Até os acontecimentos mais inocentes são percursores de catástrofes únicas. Do paraíso sopra um vento que fecha as asas dos querubins. O progresso é uma espécie de tempestade. A catástrofe também. Também as lágrimas caem sobre o leite. A tua tristeza é limpa. O silêncio acomoda o pó dos caminhos. Doem-me os ossos. O nevoeiro transforma as montanhas em mar. Os seus cumes são as novas ilhas. As auroras estão mais maduras. O meu corpo segue o silêncio do teu. Antigamente, os anos passavam cheios de leveza. E ríamos. Os sorrisos eram deliberativos. A alegria era uma espécie de prefácio. A água perseguia as árvores e os lameiros. Os animais perseguiam a água. O azul defendia as tardes. Deus era o Verbo difícil. Depois tornou-se impossível. Fomos abandonados à alegria e, mais tarde, à tristeza. O peso do teu corpo é doce.  E imaculado. Alegro-me com o abandono das horas. O dia ascende minucioso pelas paredes da casa. A luz impõe o seu poder. As curvas voluntariosas dos corpos desejam ser discernidas meticulosamente pelas mãos de quem lhes dá prazer. Respirar o ar mútuo é uma das estratégias da sedução. A luz lamina os lençóis brancos. Cheiram a alfazema e a sémen. Os nossos gritos são quase sempre interiores. O amor chega vagaroso, mas é persistente. Nem tudo pode ser perfeito. A madrugada sobe atravessando as paisagens meio adormecidas. A sua frescura é longa como o rio que corre no vale. O teu corpo respira a fragilidade cansada da manhã. A tarde na floresta estará impregnada de barbitúricos. Os pinheiros vestem-se de seiva. No meio da caruma despontam os níscaros. O seu silêncio é lívido. Aprendemos com eles lições de subversividade estática. Os cães, de língua estendida, procuram os seus donos. A tarde ajuda a amadurecer os frutos. O tempo impõe as suas regras às agilidades sexuais. Um Deus emérito define a dose de engenho e louvor que cada sexo deve usufruir. Extinguiram definitivamente a máquina engenhosa de fazer aldeias. Para lá das janelas, as aves percorrem os gestos trágicos do início e do fim do mundo. Tudo é tão breve. Os domingos derramam-se pelos jardins. O crepúsculo desfaz-se em pedaços. Todas as máquinas nascem enganadas pelo seu destino. Falam-nos os deuses. Nós falamos de Deus. As horas mais densas têm o sabor da carne crua. Apetece-me agora falar da razão pragmática da crítica. Os sindicatos e o patronato fazem dos salários a sua religião. As religiões ruminam os seus cadáveres. Os santos mais sábios continuam em busca do Graal e do cântico dos cânticos. Dizem que gostam de comer romãs e beber água benta pela concha dos bivalves peregrinos. As paredes brancas suam. O teu corpo sua. O meu corpo sua. A busca do amor torna a vida impossível. Ainda hoje a cristandade sofre por causa dos infidelíssimos romeiros de Canterbury. As suas cópulas arrojadas transformaram os corpos infiéis em artesanato noturno. No entanto, os carpinteiros, pegando no exemplo de Jesus, aplainavam a madeira como se os troncos das árvores fossem mulheres ácidas. Os artesãos colocavam matéria sobre matéria para construírem as almas mais puras. E comiam as suas mulheres à mesa como se fossem ovelhas de Deus.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 415 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Em Chaves

. No Barroso

. Poema Infinito (428): Peq...

. No Barroso

. Na Póvoa de Varzim

. 414 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. O cavaleiro

. ST

. Poema Infinito (427): O d...

. Olhares

. Olhares

. 413 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. Músicos

. Poema Infinito (426): O t...

. ST

. O Ferreiro

. 412 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (425): A h...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 411 - Pérolas e Diamantes...

. No jardim

. No elevador

. No museu

. Poema Infinito (424): A r...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar