Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2019

Poema Infinito (444): Morte e ressurreição do desejo

 

 

O desejo está do lado da verdade ou da mentira? O desejo está do lado do desejo. Como se pode fugir do caos? A literatura não pode ser impostura. O corpo acaba. O desejo não. O género não se deseja, tem-se. O desejo nunca foi o Demónio, é Deus. Tanto como Deus deseja o desejo, também o Demónio deseja ser Deus. A blasfémia é o desejo convergente de Deus. E do Demónio. Do Demónio de Deus. A ofensa é um prazer que se perdeu. Resulta daí. A sexualidade é o nosso ponto frágil. Todas as configurações são domesticáveis. O desejo não. O desejo que se foda. O desejo fode-nos. Lidar com o desejo é um problema. O sexo não é um castigo de Deus. O desejo sim. Toda o obediência desobedece ao desejo. O desejo paga-se com desejo. O desejo é a nossa potência e a nossa impotência. Apesar do desejo ter a sua própria língua, escapa à linguagem. O desejo está do lado da verdade. A convenção, não. Ninguém consegue domesticar o desejo. Esse é o castigo de Deus. Por vezes o desejo parece verdadeiramente inverosímil, mas está lá, em tudo o que é iluminado. A religião nunca consegue dar bem conta do pecado. O desejo é um risco de vida. O desejo tem medo do caos e ainda mais dos seus limites. O domínio quase absoluto da razão é praticamente desumano. O desejo é quase irracional. O desejo não obedece à razão. Todos nós sofremos nas mãos do desejo. O mundo empobrece quando o queremos simplificar. O desejo está para além do mundo caótico da verdade. O desejo baseia-se na contradição. O teu estilo é uma ênfase. O desejo vai nu mesmo que vá vestido. O desejo pode ser para o bem e para o mal. Guardo o teu desejo nos meus lábios. Quero desejar-te. Quero o que não tenho. Esse é o erro do acaso. Subitamente dentro de ti cintila o desejo. Esse desejo desejoso de desejar. Agarro-me a ele sobretudo quando me quer deixar. O desejo é como se fosse o meu futuro. O presente esgota-me e esgota-se. O desejo pode matar. O desejo pode matar o desejo. Sonho com vastidões imensas. Sonho com a luz. Com a luz imensa do desejo. O desejo reza. O desejo chora. O desejo de Vénus é a sua cintura estreita, as suas mãos suspeitas, o seu sexo a arder. Também sonho com a solidão impalpável do desejo. Por vezes o desejo sossega sem saber a razão. Também as ondas são breves. E a verdura. A verdura extensa do desejo. As águas lentas encontram-me já exausto. Eu sou o Fausto do meu próprio desejo, a sua esperança gulosa, a sua impaciência, a sua loucura, a sua indecência. O desejo também pode ser um jardim. Observo o teu desejo como se fosse um retrato. Os corpos costumam rodar quando estão insatisfeitos. O fator da tua boca faz-me entrar em pânico. O mesmo pânico que nos assalta quando prendemos uma ave. De onde me vem esse desejo? O teu desejo. O desejo também pode ser obscuro. O desejo vagaroso. O desejo por vezes conversa comigo como se eu fosse uma criança parva. O desejo acorda-me a carne. O meu desejo tem os olhos claros, da cor dos teus. O desejo também pode ser clandestino. Por vezes vela-me. Outras vezes velo-o eu. O teu desejo segue-me noite e dia. Depois de vencido, o desejo tomba de forma dolorosa. O corpo vence-o mesmo quando é vencido por ele. O seu gozo é lânguido. O desejo define-me o prazer. Por vezes prende-me. Outras vezes embala-me. Por vezes sou o seu tesouro e a sua glória. Por vezes sou a sua vitória. A seguir volta a subir por mim acima como se eu fosse a sua árvore. O desejo é a serpente do paraíso. O pecado morre ao lado. E ressuscita no dia seguinte.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar