Quinta-feira, 19 de Dezembro de 2019

Poema Infinito (487): As coisas ocasionais

 

 

Não há coisa mais dilacerante do que a indiferença dos outros quando se está apaixonado. As gralhas desenham os seus voos contra a luz rosada do entardecer. Toda a luz. Tu és toda a luz. Cintilas como um pássaro. Costumas cuidar das palavras mais frágeis. Transformas em carícias as palavras que me dizes. Para quê regressar ao passado? Essa é sempre uma outra forma de sofrer. Lembro-me do rio. De atirar pão aos patos. E a vida ia crescendo. Atravesso o tempo e todas essas emoções. Depois alcanço a alegria e o medo. E o voo dos pássaros que logo a seguir pousam nos ramos. E a mãe a coser e a arranjar a roupa de tesoura na mão. E as aventuras, as corridas, as querelas, as histórias de amor. E também os estudos. E depois o trabalho. O trabalho. O trabalho. E as águas do rio sempre a correr. E os teus olhos brilhantes. E o vestido sobre os joelhos. E a nitidez das árvores. E a doçura da intimidade. No sótão apenas resta a poeira do gesso caído e restos de ninhos de pássaros. O som das portas é frio. A verdade é que continuo a ver dentro de ti uma luzinha. Não é bonito andar de um lado para o outro com a luz apagada dentro de nós. Já chegou o tempo em que o corpo começa a desbotar. O parque está repleto de folhas espalhadas pelo chão. Sopra um vento morno. O céu está salpicado de estrelas. Este é o meu pedaço. As constelações são coisas ocasionais, como os pássaros em voo. O tempo não coincide. As estrelas têm um. Nós temos outro. Acordei deitado em cima de restos de sonhos que não consigo compreender. Oiço e vejo as coisas de lado, como se fosse uma figura egípcia. Oiço o tamborilar da chuva. Como era agradável o seu som a bater na chapa da casa e a rumorejar logo pela manhãzinha no telhado da varanda. Ouvia o sussurro da folhagem e punha-me a ler, ajudado pela luz do amanhecer. O verão já não me traz a paz de antigamente. Hamlet dizia, e com razão, que o tempo está fora dos eixos. O tempo não enche o espaço até ao extremo. O que sobra é ainda mais vazio do que o vazio. Com os anos, os buracos do sistema do mundo são cada vez maiores. As pessoas é por aí que desaparecem. Pairo por cima do vazio. Algo invisível apaga as frases mais curtas. Apesar das noites serem intermináveis, os anos passam a galope. A relatividade é uma coisa fodida. Tal e qual como o amor. Dizem que os pássaros conseguem introduzir o esperma em pleno voo. Alguns dias ganham sentido quando passam. A eternidade tem a forma de um seixo redondo. Nascem do luar algumas palavras calmas. As tristes foram há pouco com o vento. Os deuses dos campos vão recolhê-las para mais tarde as transformarem. Das confusões, nascem as vertigens. Cada cavalgada leva ao seu destino, cada pássaro ao seu ramo, cada borboleta ao seu limite, cada momento de glória à sua melancolia, cada sonho ao seu corpo. O silêncio tenta explicar-se através da memória da mãe. Nas pedras, sentados à sombra, respiramos a frescura e o verde que a rodeia. Lá em baixo, o rio transporta o dia até ao mar. Convalescemos da alegria rápida que nos atacou. O vento traz-nos o cheiro a rosas silvestres. Ainda somos donos do caminho que nos falta percorrer. Caminhamos de mãos dadas, aprendendo a linguagem destes lugares. A madrugada começa a impor-se na aldeia. As glicínias escorrem orvalho. É preciso que existas. Pois é bem verdade o que escreveu Joaquim Pessoa: “Cada vez nos temos mais apenas \ um ao outro.”


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.pesquisar

 

.Março 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

.  Epístola primeira

. A cultura do meu amigo

. Apetites freudianos

. Barroso com neve

. Vilarinho Seco

. Pinheiros com neve

. Poema Infinito (501): A c...

. Jardim Público - Chaves

. Tâmega

. 486 - Pérolas e Diamantes...

. Serenidade

. Serenidade

. Na conversa

. Poema Infinito (500): O D...

. Em Santiago de Compostela

. À espera

. 485 - Pérolas e Diamantes...

. Em Santiago de Compostela

. No Porto com Axel, Marina...

. Trabalhando

. Poema Infinito (499): As ...

. No pátio

. Atravessando a ponte

. 482 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Porto

. Póvoa de Varzim

. Poema Infinito (498): A v...

. Em Guimarâes

. No Louvre

. 484 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Sorriso

. Na aldeia

. Poema Infinito (497): Aur...

. Procissão

. Tudo treme

. 483 - Pérolas e Diamantes...

. A mulher e o burro

. Ao sol

. Na aldeia

. Poema Infinito (496): Luz...

. No trabalho

. No pasto

. 481 - Pérolas e Diamantes...

. Nuvens

. Água

. Músico

. Poema Infinito (495): Est...

. Arcos

.arquivos

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar